Jota Júnor processa a Globo em valor milionário após demissão bombástica

O narrador Jota Júnior (foto: Divulgação)

Continua após o anúncio

A saída do narrador Jota Júnior ganhou um novo capítulo. Isso porque, na última demissão ocorrida em março, Jota Júnior, que foi narrador da Globo por 24 anos, tomou uma decisão ousada: levar o caso para a Justiça.

O renomado locutor está buscando o reconhecimento de seus direitos trabalhistas durante o período em que atuou como Pessoa Jurídica (PJ), sem ter sua carteira assinada pela empresa.

Além disso, Jota Júnior também acusa a emissora de ter reduzido seu salário sem uma justificativa plausível. Ao somar todos os pedidos, o valor estimado do processo chega a impressionantes R$ 15,8 milhões.

Anúncio

O portal Notícias da TV obteve acesso aos documentos do processo em andamento no TRT-2 (Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região), envolvendo Jota Júnior.

O renomado narrador, ao ser questionado sobre o assunto, confirmou a existência do caso, porém optou por não fornecer maiores detalhes. A reportagem também procurou a TV Globo para obter um posicionamento, mas a emissora informou que não comenta casos judiciais em andamento.

Jota Júnior abre processo contra a Globo

No processo em questão, o narrador Jota Júnior alega que permaneceu sem registro em carteira de trabalho por quase duas décadas.

Em 2019, a TV Globo iniciou um movimento para regularizar a situação dos seus funcionários, com o objetivo de prevenir processos trabalhistas e possíveis fiscalizações da Receita Federal.

Outros profissionais renomados do ramo esportivo, como Luis Roberto e Cléber Machado, que a Globo também demitiu o no mesmo mês que Jota Júnior, passaram a ter contratos de trabalho regidos pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

Saiba tudo sobre o processo:

(foto: Divulgação)

De acordo com a ação movida por Jota Júnior, o narrador alega que seu salário sofreu uma redução de quase R$ 20 mil durante a transição de modelo de contratação.

O profissional argumenta que, diante da necessidade de se manter empregado, acabou aceitando as condições impostas pela emissora.

Conforme a legislação em vigor, um trabalhador tem o direito de solicitar o reconhecimento do vínculo trabalhista referente aos cinco anos anteriores à data de entrada com a ação.

Neste caso, como Jota Júnior iniciou o processo neste ano, ele teria o direito de requerer o pagamento de direitos trabalhistas apenas a partir de 2018, o último ano em que permaneceu contratado como Pessoa Jurídica (PJ).

Deixe sua opinião

Send this to a friend