Apresentadora da Globo se choca com barulho de explosão ao vivo em Araçatuba

Repórter da Globo se assusta com explosão em Araçatuba (Foto: Reprodução)
Repórter da Globo se assusta com explosão em Araçatuba (Foto: Reprodução)

Reportagem da Globo presencia explosão em Araçatuba

Na manhã desta terça-feira (31), a repórter Thaís Gomes, da Globo, relatou sobre o Grupo de Ações Táticas Especiais, no centro de Araçatuba, interior de São Paulo. Afinal, a cidade vive momentos tensos após bandidos terem assaltado bancos no último final de semana e deixado bombas espalhadas pela cidade.

Anúncio

Veja também: Ana Paula Araújo se vinga de vez de Chico Pinheiro e, após ódio público, deve tomar o lugar do jornalista

No momento que a repórter e Rodrigo Bocardi interagiam, houve um barulho de explosão. Sendo assim, ela disse: “Só realmente um grande susto que nossa equipe levou. Sendo assim, veio de um condomínio próximo, não entendemos, só ouvimos a explosão. Além disso, não sabemos ao certo, foi o que você mostrou durante a programação”, falou ela.

Atualmente, a SSP e Guarda Civil Metropolitana investigam o que pode ter ocasionado a explosão. “Estamos ao lado do Banco do Brasil e da Caixa, é até assustador estar aqui onde ontem… A gente não sabe o que foi isso, veio de um prédio esse barulho. Assustou os passarinhos, a população que está aqui”, disse Thaís Gomes, repórter da Globo.

Anúncio
Repórter da Globo em Araçatuba (Foto: Reprodução)
Repórter da Globo em Araçatuba (Foto: Reprodução)

Ainda sobre a matéria

A informação é que 40 explosivos foram deixados pela quadrilha. Desses, 16 deles já foram desativados. Além disso, o comércio da cidade ainda não abriu as portas nesta terça, bem como as aulas permanecem suspensas. O transporte coletivo vai operar, mas com alteração nas rotas para evitar o centro. Veja aqui o momento da explosão na reportagem da Globo.

Além disso, um empresário foi alvejado após retornar ao local. “Ele teria ido ao local para fazer uma live do que estava acontecendo e acabou sendo alvejado pelos criminosos”, disse o coronel. “Ele foi inocente. Ficou curioso e voltou para ver os bandidos. Acho que ele não imaginava a proporção do negócio. Dessa forma, infelizmente em uma brincadeira ele acabou morrendo.” disse um amigo da vítima em reportagem da Globo.

Anúncio

Dessa forma, também vale destacar o uso de armas restritas as Forças Armadas: “O veículo é de grande porte. Possivelmente, eles deixaram um calibre.50, que é uma arma de guerra, fixado em um tripé. O buraco serve para colocar o cano arma para o lado de fora. Os bandidos conseguem atirar de dentro do carro. Eles ficam protegidos porque o veículo é blindado. Nós encontramos munições de .50, .762. e .556”.

Compartilhar notícia: