A Fazenda: Psicóloga analisa comportamento de Raissa e dá veredito final sobre ela: “Transtorno”

Raissa
Raissa discute com Carol Narizinho em A Fazenda 12, neste domingo (11) (Foto: Reprodução)

Depois de surto de Raissa para cima de Carol Narizinho, psicóloga analisa razões e consequências, além dos efeitos nos outros peões.

A peoa e ex-miss-bumbum Raissa, que já afirmou ter trastorno de personalidade Borderline, protagonizou um novo surto neste último domingo. A discussão começou depois que ela chamou a ex-panicat de “patricinha” dentro da dinâmica. Foi um verdadeiro festival de socos, chutes, pontapés e muito gritos. Este não é o primeiro surto protagonizado por Raissa dentro do reality, inclusive.

Continua após o anúncio

Veja também: A Força do Querer: Zeca descobre segredo de Ritinha

Este último, em especial, iniciou com Narizinho questionando o motivo de ser classificada como “patricinha”. E afirmou que “patricinha significa ter dinheiro e se achar”. Não entendendo o questionamento, Raissa surtou e foi para cima de Narizinho que questionou “vai me bater?” e afirmou “ela não tem cabeça”, que levou Raissa a surtar novamente dizendo, em voz alta, “tá dizendo que eu não tenho cabeça, é?”, e teve que ser contida pelos colegas. Tudo se findou depois de extravasar os ânimos em gritos, socos em portas e chutes em cadeiras.

Raissa
Raissa Barbosa, participante de “A Fazenda 12” tem síndrome de Borderline. (Foto: Reprodução Record)

Estes surtos já foram inclusive questionados se seriam reais por alguns especialistas, como Ricardo Ventura que afirmou “Enquanto está todo mundo olhando [a Jojo], ela põe a mão no queixo e vai pegar o creme. Foi de caso pensado. O surto é quando você para e fala ‘meu Deus, o que fiz, eu saí de mim”. Mas este último surto do último domingo (11) foi analisado por especialistas também a pedido de um colunista e explica a síndrome de Raissa:

Anúncio

Veja também: Virgínia Fonseca comenta polêmica de gravidez com Zé Felipe

“O indivíduo percebe e interpreta a si mesmo, outras pessoas e eventos de forma desadaptada da realidade, causando conflitos emocionais e severo desequilíbrio psíquico. Predomina no pensamento desse paciente a desconfiança e ideias invasivas de que as pessoas conspiram contra ele com maldade”, afirma a psicóloga.

Ainda sobre a matéria

Ainda na coluna, sobre o caso do último domingo a psicóloga analisa:

“Expor esses pacientes a ambientes e situações estressantes é provocar episódios de surto com consequências penosas e intenso sofrimento psíquico, necessitando de intervenção medicamentosa (…). O Transtorno Bordeline, (…) pode ser interpretado por pessoas leigas com excentricidade da personalidade, motivo pelo qual é necessário a avaliação e intervenção de profissional da área de saúde mental”, finaliza.

Deixe sua opinião

Send this to a friend